quinta-feira, 3 de abril de 2014

Fragilidade


Fragilidade é condição inerente à humanidade,
e é bom que assim o seja!
Afinal, a fragilidade é aquilo que nos desperta
 para a  real condição nossa:
somos passantes, nesse mundo.
Somos errantes e, ao mínimo deslize,
pode ser que tudo acabe!


domingo, 9 de fevereiro de 2014

Abrigo


Abrigo é espaço de proteção.
É onde sentimos que algo que para nós é especial,
pode ficar aconchegado, sem maiores preocupações.

Sendo assim, há abrigos que guardam o corpo (lugares);
Há abrigos que guardam memórias (pessoas);
Há outros que guardam sentimentos (corações)
e há os que guardam histórias (momentos)!

Quantos abrigos seguros você tem?

Concreto


Concreto é tudo o que existe com tamanha força,
que chega a ser capaz de impor a nós sua realidade
(por vezes palpável, outras sensível)!

A concretude, não se engane: 
nada tem a ver com materialidade!
Ela é (entre)linha tênue 
que liga, jamais segrega,
o real e o imaginário!

sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Descansar


Descansar é deixar-se, por algum tempo,
alheio ao mundo, alheio à superficialidade que nos rodeia.
É parar, embora aparentemente sem grandes objetivos,
para escutar o pulsar do Universo que, magicamente,
pulsa em uníssono com o nosso coração!

Descansar é, pois, encontrar-se dentro de si!

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Doce


Doce é adjetivo que combina bem mais com o coração
do que com o paladar!

Porque doce é tudo aquilo que, em nós, 
tem a capacidade de deixar
 um insaciável desejo de
 "quero mais um pouquinho"!


Dor


A dor é a sabedoria que abriga os limites.
É o alerta que nos desperta para a nossa própria fragilidade.
A dor, apesar de incômoda, é um conforto:
estamos feridos, mas vivos!

A dor, afinal, é sempre mais passageira que nós!


Arrependimento


Arrependimento é dor humana incontestável!
É o que brota em nós no momento 
em que constatamos que, em certo tempo,
não fomos fiéis àquilo que realmente somos,
àquilo que palpita dentro de nós
(e precisa sempre ser ouvido)!

domingo, 26 de janeiro de 2014

Marcas


As marcas são a autenticidade das nossas histórias.
São a matéria do aprendizado.
São a parte visível da aventura, 
são o que nos sobra de palpável.

E são, acima de tudo, a certeza de que, nos caminhos
da vida, só cresce mesmo quem já se marcou!


Individualidade


A individualidade é a beleza que nos garante o título,
irrenunciável e irredutível, de PESSOA!
É a força que nos faz ser tão únicos e incrivelmente
bons em sermos quem somos: complexos, diferentes,
embora essencialmente iguais em nossa humanidade.
É a força que nos permite alcançar a novidade, 
embora já existam outros milhões por aí...

A individualidade, meu caro, não é só DNA!
É grandeza e espetáculo, 
é surpresa e é, sobretudo, a essência
daquilo a que chamamos vida!


domingo, 29 de dezembro de 2013

Calendário


O calendário é só um amontoado de números,
criado para dar-nos a ilusão de que dominamos o tempo.
Mero consolo à nossa humanidade que não sabe lidar
com os próprios limites...

Que belo seria se nos deixássemos viver
pelo tempo que nos coubesse,
sem números, sem limites ou divisões!
Apenas no prazer de deixar passarem 
os dias, os meses, os anos
sem sequer nomeá-los assim...

Celebrar


Celebrar é trazer à consciência e ao conhecimento do mundo,
aquilo que, no coração, gera algo tão bom, que transborda!

É externar a gratidão, de forma que se eternize
na história o que foi bom, tendo durado o que durou!

terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Saudade


A saudade é a força que deseja atualizar aquilo que,
embora no tempo tenha passado,
no coração permanece recente, vivo e forte.
Forte o suficiente para, algumas vezes,
fazer doer (de amor)!


Insônia


Insônia é convite ao exercício da realidade.
É tempo de despertar os sonhos,
para que vivam, para que se desenhem,
ao menos por uma noite,
diante de nós!

Pousar


Pousar é deixar que descansem as asas
e alce voo o pensamento!
É, por ora, contemplar o firmamento
e redescobrir a grandeza que habita
em quem pode alcançá-lo!


quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

Recordações



Recordações são pedaços vivos do passado
(um passado que não passou de vez).
São o complexo ativo da nostalgia.
São caminhos pelos quais o coração,
frágil e faceiro que é,
consegue transferir-se no tempo,
para ser capaz de re-sentir!